Adoção em dose dupla

No fim do ano passado a Luciana Santos ganhou uma família nova. Ela e o marido optaram por não ter filhos e queriam muito uma cadelinha, pesquisando ONGs no Instagram ela chegou até a Adote um Focinho. “Gostamos de uma cadelinha, passamos por todo o processo de adoção, agendamos e fomos; chegando na ONG essa cadelinha havia sido adotada.” Ela conta que sabia que isso poderia acontecer e não se deixou levar pelo desânimo. Venham ler a história do primeiro Bicho Novo em Casa do ano! Na verdade, Bichos Novos em Casa 🙂

“Nos apresentaram várias outras, ficamos quase por 4 horas conhecendo algumas e gostamos de uma filhotinha de 3 meses, porém tinha alguém que iria visitá-la na semana seguinte e então nos apresentaram a mãezinha dessa filhote; acabamos brincando com ela e decidimos ficar. Não há levamos na mesma hora pois a ONG tem como princípio, doar os animais castrados e vermifugados e precisávamos aguardar por 10 dias.”

Imagino a ansiedade da Luciana para levá-la logo para casa, mas a história não pararia por aí. “Uma das responsáveis pela ONG (Mônica), entrou em contato comigo perguntando como foi nossa visita por lá e contei que gostamos da mãezinha, ela sugeriu que ficássemos com as duas e respondi que não! E ela me informou que seria uma adoção até melhor para adaptação delas e seria ótimo não separar as duas.”

Eu não conhecia a ONG Adote um Focinho, mas vou dizer que já gostei!

“Conversei com meu marido e ele falou: vamos adotar as duas, eu até fiquei surpresa, pois o meu não de cara foi porque eu achei que ele não aceitaria, aí fiquei aguardando um segundo retorno da desistência do possível adotante da filha, eu achei que seria oferecido na visita dele ficar com as duas e como não tive retorno mandei mensagem para a Mônica perguntando: e ai o rapaz vai ficar com as duas? e ela respondeu: já sinta-se grávida, elas são suas!!! Chorei na hora e a Mônica respondeu: desde quando eu disse para vocês adotarem as duas, já dei como adotadas para vocês. Assim que respondeu SIM, quero ficar com as duas, já informei o rapaz que apareceu uma família que tem interesse pelas duas.”

20181218_083739
Luciana com Bibi e Pérola

Sobre a vida delas antes de chegarem no abrigo a Luciana conta que elas foram encontradas embaixo de chuva na porta de um salão de cabeleireiro em Cotia-SP. “Aparentemente a filhote tinha uns 2 meses e a mãe estava com cara de assustada. Uma moça as recolheu provisoriamente e saiu publicando quem queria ficar, chegou essa informação para a ONG e elas foram resgatá-las.”

Como já tinham o desejo de adotar uma cachorrinha, Luciana se mudou com o marido de um pequeno apartamento para uma casa maior. “A casa estava vazia, sem graça. Somente instalei dois portões para ensiná-las a fazerem xixi e cocô, mas logo que aprenderem vou retirar.”

E a escolha do nome delas? Você manteve ou mudou o nome do abrigo?
“No abrigo a mãe chamava Pérola e a filha Bibi, mantive Pérola e mudei da filha para Pitty, pois tenho um sobrinho que chama Fabiano e o apelido é Bibi, não ficaria legal continuar com o nome Bibi.”

Até aqui alguma curiosidade ou situação inesperada?
“Tenho um sobrinho de 6 anos que quando soube da adoção e marcamos dele conhecer ele soltou: tia Lú você é mãe da Pérola e Vó da Pitty, caímos na gargalhada, pois não havia pensando nisso. No mais tudo tranquilo.” ❤ ❤ ❤

As gostosuras Pitty e Pérola

 

Costeleta, um cãozinho cego e muito feliz

O último Bicho Novo em Casa do ano é com esse fofíneo, lindo e cremoso do Costeleta. Fico feliz por contar a história dele e da Malu, sua humana. Eles se conheceram meio que por acaso ou seria o destino? Acredito que só pode ser essa segunda opção porque ele acabou sendo adotado pela pessoa certa! A Malu diz que foi ele quem chegou até ela. “Fazia residência no hospital veterinário da Ulbra (Universidade Luterana do Brasil), e ele estava andando pelo campus! Até que o resgatamos!”

IMG-6020Como ele estava andando sozinho, a Malu não tem mais informações a respeito da vida dele antes de se conhecerem, mas as condições dele não eram as melhores.  “Ele estava cheio de carrapatos, com miíase (bicheira) nos testículos, e quase não tinha pelo no corpo devido a sarna! Mas sempre foi o dono do sorriso mais lindo e ainda tinha os olhos azuis mais maravilhosos! Porém ele tinha inflamações seguidas nos olhinhos e já não enxergava muito bem!”

Logo, uma amiga da Malu resolveu dar o nome de Costeleta ao mais novo mascote do grupo e todos concordaram. “Ficamos cuidando dele, castramos, tratamos a pele e ele se tornou nosso mascote. No final do ano, a Ulbra entrou em recesso e a diretoria disse “carinhosamente” que teríamos que “dar um jeito” nos mascotes. Então, eu o levei pra casa e todos se apaixonaram! Uma semana depois ele foi oficialmente adotado por mim!”

IMG-7603

fe01840b-75af-411c-9b24-7c48b8e41a2d

Uma vez oficialmente adotado pela Malu, ela diz que não foi necessária muita preparação para recebê-lo. “Ele ocupou seu espaço rapidamente! Ele já estava castrado, já fazia tratamento para os olhos e ele sempre se ajudou demais!” E em relação aos olhos, ele nem sempre foi cego. E ela explica como isso aconteceu. “Ele tinha os olhinhos quando o adotei, mas não enxergava muito bem. Depois de mais ou menos 1-2 meses de sua adoção, tive que viajar e deixei uma pessoa cuidando dele (para aplicar os colírios, etc), porém quando retornei de viagem vi que ela não foi a melhor cuidadora, ele perfurou um dos olhinhos, levei imediatamente para o hospital e fizemos a cirurgia de enucleação (que é a retirada integral do globo ocular)! Ele respondeu muito bem e se tornou um cachorro mais feliz! Porém, o olhinho que ficou seguia sempre incomodando, não respondia mais aos tratamentos com colírio. Ele desenvolveu catarata e glaucoma. A Oftalmologista sugeriu aplicação intraocular de medicamentos, mas eu via que ele sentia muita dor. Como ele já não enxergava nada e era só uma questão estética eu optei por enuclear este olhinho também!”

Mas muito se engana quem pensa que para o Costeleta isso significou sofrimento ou que a vida dele com a Malu mudou completamente. “Desde então ele se tornou mais feliz ainda! Sem dor! Se adapta muito bem a todos os ambientes! Após se tornar “oficialmente” um cão sem olhos eu me mudei pra uma casa que tem uma pequena escada, em poucas horas ele se acostumou e já sabia transitar por toda a casa! Ele é sempre o primeiro a saber que tem alguém chegando em casa! Adora ficar no pátio da frente latindo para as pessoas e outros animais que passam na calçada! Adora fazer novos amigos! E por incrível que pareça ele adora correr atrás dos meus gatos no pátio! Mas se dão muito bem!” ❤ ❤ ❤

 

Projeto Pandora #perfilparaseguir

O Projeto Pandora começou em 2014 quando a Talita Borges foi até uma comunidade carente, em Ribeirão Preto (interior de São Paulo), ajudar uma cachorrinha grávida que estava pronta para ter os filhotes e não conseguia. De lá pra cá, o projeto tomou forma e com o objetivo de castrar e vacinar o maior número de animais de duas comunidades na cidade ela vem trabalhando incansavelmente para ajudar no controle populacional da região, que segundo ela, tem uma quantidade grande de animais em situação de rua.

Nesses tempos estranhos, em que a violência contra animais nos choca e entristece, é bom saber que há pessoas que se esforçam para que os bichos tenham uma vida mais digna. Venham ler, se inspirar, ajudar, compartilhar e apoiar o Projeto Pandora. Segue a entrevista abaixo.

MB: Para situar as pessoas que lerão o post. Onde o Projeto Pandora atua? E há muitos animais abandonados nessa região?
PP: O projeto foi criado, com intuito de castrar e vacinar os animais de duas comunidades carentes de Ribeirão Preto, a favela da Aids e o Jd. Progresso, locais onde não há controle populacional e o número de animais em situação de rua é assustador. Estima-se que apenas na área do bairro Parque Ribeirão Preto, região onde estão localizadas essas comunidades, existam quase dois mil cães e gatos errantes ou semi domiciliados (tem casa, porém passam a maior parte do tempo nas ruas e não são castrados, contribuindo assim para o aumento populacional).

MB: Como e quando começou a ideia do projeto?
PP: Em 2014, eu fui até a favela da Aids, porque uma cachorrinha de rua estava tentando dar à luz há dois dias e não conseguia, me chamaram para socorre-lá. Ela pariu três bebês, dois morreram e eu acabei indo todos os dias cuidar da mãezinha, que tinha TVT e do bebê que sobreviveu, ia todos os dias, por três meses, até conseguir tratar e doar ambos. Foi aí que conheci a realidade daquele local, e comecei a castrar algumas fêmeas que já estavam exaustas de tanto parir, algumas amigas começaram a me ajudar e expandimos para as redes sociais. Até hoje estamos lá, na tentativa de castrar e vacinar o maior número de animais possível. O grande problema, é que existem muitos animais doentes, muitas vezes nos optamos por tirar o animal da comunidade e assumimos ele até se curar e ser adotado, muitas vezes, gastamos mais do que podemos com o tratamento e hospedagem desses animais doentes que não sobra verba para a castração.

MB: Quem são e quantas pessoas ajudam com o projeto no dia a dia?
PP: Somos 2 que estão sempre na comunidade, tem outras voluntárias que ajudam com carona solidária e financeiramente às vezes.

MB: Vocês recebem alguma ajuda governamental? Como se mantêm?
PP: Não recebemos nenhum tipo de recursos do governo, 70% dos custos são bancados por mim, os outros 30% arrecadamos com doações ou realizações de ações, como venda de pizzas, rifas ou bazar.

MB: Qual importância do projeto na região onde ele está?
PP: Na cidade toda não existe nenhum tipo de controle populacional de cães e gatos, vindo do Estado, inclusive as prefeituras são obrigadas por lei, a manter o controle populacional desses animais, porém em Ribeirão Preto, há mais de 30 anos que nenhuma gestão se preocupa com a castração dos animais. Quem acaba fazendo esse trabalho são civis comuns, que pagam do próprio bolso a castração, vacinação e muitas vezes a hospedagem para tirá-los da rua. Temos pontos de abandonos bem conhecidos na cidade, como o Morro do São Bento, o cemitério da Saudade e a USP, locais que deveriam ser monitorados e feito CED (captura, esterilização e devolução) nos animais pela prefeitura, mesmo com vários pedidos e até processos no ministério público, nunca foi feito nada de efetivo, quem acaba fazendo as castrações são ativistas da causa animal, com recursos próprios. É muito triste, mas a cidade está abandonada há muitos anos.

MB: Vi alguns posts sobre doação de castração. Achei a ideia bem legal. Como funciona?
PP: Temos parceria com algumas clínicas veterinárias de Ribeirão Preto, conseguimos valores mais baratos, pois castramos em torno de 30 animais/mês, pedimos ajuda para conseguir continuar com esse número de animais castrados, as pessoas podem ajudar depositando em uma de nossas contas ou pagando direto na clínica. Quem não pode doar uma castração inteira, pode doar parte, qualquer valor é bem vindo.

MB: Por que ajudar os bichos?
PP: Não sei, desde criança tenho esse amor inexplicável pelos animais. Decidi fazer desse amor um projeto social porque entendi que se eles continuarem procriando nas ruas, o sofrimento nunca irá cessar, apenas passar dos pais para os filhos. É muito triste a situação dos nossos animais nas ruas, exposto a todo e qualquer tipo de maldade humana.

MB: Se alguém quiser colaborar com vocês, como fazer?
PP: Pode entrar em contato através da nossa página do Instagram @projetopandorarp ou pelo e-mail: projetopandorarp@gmail.com

Abaixo, os bichos da comunidade de Ribeirão Preto que o Projeto Pandora assiste.

Teddy, um Spitz Alemão na Alemanha

O Teddy é um Spitz Alemão de quase três anos que representa muito para a Kamila Xavier: um sonho, um presente, um filho. Eles agora moram na Alemanha há quase cinco meses e abaixo ela conta como foi a mudança, dá dicas bem interessantes para quem pensa em ir para Berlim e como está sendo a vida desse cachorrinho bagunceiro por lá, que aos poucos aprende a se comportar como um cãozinho alemão, afinal ele tem Alemão na raça, né?

IMG_7766
Teddy e Kamila em Berlim ❤

MB: Como começou a história de vocês?
KX: Ter um cãozinho sempre foi um sonho uma vez que morei grande parte da minha vida com meus pais e eles não queriam um cachorro. Mais ou menos 3 meses depois que me casei, ganhei o Teddy de presente do meu marido. Fomos juntos ao canil escolher e de cara me apaixonei por ele: o menorzinho, mais carente e mais manhoso dos filhotes que estavam lá. Meu sobrinho, na época com 2 anos, nos acompanhou na visita e vimos o carinho que ele também sentiu pelo Teddy. Não deu outra, trouxemos ele para casa e desde então ele tem sido nosso filho!

MB: Há quanto tempo vocês moram na Alemanha? E em qual cidade vocês moram exatamente?
KX: Meu marido conseguiu um trabalho em Berlim, e veio para cá em março desse ano. Devido a burocracia para trazer o Teddy, viemos em torno de dois meses depois. Teddy e eu estamos na Alemanha há menos de 5 meses.

MB: Como foi a mudança?
KX: A mudança foi bem corrida. Já tínhamos planos de morar fora, mas em 2019, então não tínhamos pesquisado nada sobre a viagem do cachorro até então. Precisamos colocar o microchip, dar a vacina de raiva nele e esperar 30 dias para fazer o exame de sangue (sorologia da raiva). Tudo estava sendo acompanhado pela nossa veterinária, mas uma semana antes da data prevista da coleta de sangue, o Centro de Zoonoses de SP (único laboratório credenciado no Brasil) anunciou que não estava mais realizando o exame. Tivemos que encontrar uma consultoria que pudesse fazer a coleta e enviar para os Estados Unidos. Isso acabou atrasando um pouco nosso planejamento, por isso eu e ele tivemos que vir 2 meses depois do meu marido para Berlim.

MB: Alguma dificuldade? Em relação a documentação exigida ou mesmo pela viagem em si.
KX: Na parte da documentação, apenas tivemos dificuldade com o exame da sorologia da raiva. A consultoria nos auxiliou com toda a documentação restante, então no dia do vôo tudo foi bem tranquilo. Como o Teddy é muito ansioso e late por qualquer coisa, optamos por trazê-lo no porão do avião. Antes da viagem, eu o acostumei com a caixa de transporte, mas com ele não estava tão acostumado a tantos barulhos e movimentos e o vôo foi longo, ele estava bem assustado quando chegamos em Berlim. Ele ficou extremamente apegado (acho que com medo de ficar sozinho de novo) por umas 2 semanas, mas depois voltou ao normal.

MB: Até aqui alguma curiosidade ou situação inesperada?
KX: Nunca pensei na possibilidade de adestrar o Teddy, porque o tinha como cão de companhia e achava engraçado (e até bonitinho) ele mandar na casa. Posso dizer que Berlim é muito pet friendly, você pode levar seu cachorro em praticamente todos os lugares (até metrô e ônibus) e por isso, os donos levam adestramento muito à sério aqui, existem até escolas para cachorro. Sofremos bastante no começo com a falta de educação do Teddy e tivemos que recorrer a uma adestradora. Não acho que ele chegará no nível de educação alemão (os cães andam sem coleiras, esperam os donos sozinhos na frente de porta dos comércios, não brincam com outros cachorros..) mas ele está melhorando!

MB: Quais diferenças você nota em relação a vida com bichos no Brasil e na Alemanha? Pet shops, alimentação, etc..
KX: Eu acho que Berlim peca em serviços, de um modo geral. Não encontrei ainda um pet shop que saiba fazer corretamente a tosa de um spitz, acho que as opções de ração são limitadas e você não vê tantas opções de roupinhas e brinquedos, em comparação ao Brasil. Aqui, cachorro é cachorro, são poucas as pessoas que os tratam como filhos, como muitos (incluso eu!) fazem no Brasil. O dono precisa fazer o registro do cão assim que chega em Berlim, paga um imposto anual e recebe uma plaquinha de identificação, que é de uso obrigatório. Acho que por isso Berlim é tão pet friendly, como você paga um imposto pelo seu cachorro, tem o direito de estar sempre com ele: transporte público, restaurantes, shoppings. Aqui tem uma regra: se um local não aceita um cão, há aviso na porta. Do contrário, eles são bem vindos!

 

Teddy passeando em Berlim

 

MB: Há muitos animais abandonados onde mora? E se houver, existem ONGs e protetores independentes?
KX: Nesses 4 meses e meio que estou em Berlim, nunca vi um cachorro ou gato abandonado. A regra é que o cachorro tenha um microchip e registro na prefeitura. Se ele se perde, a polícia consegue localizar e entrar em contato com o dono, que recebe uma multa e paga a diária do cachorro na policia (como pagar o pátio no Detran, quando um carro é apreendido). Já vi várias ONGs por aqui que cuidam de animais silvestres, como raposas, pássaros, etc.

MB: Alguma dica para aqueles que podem fazer a mesma mudança em breve?
KX: A primeira dica que eu daria é colocar o microchip, mesmo que você não pretenda viajar. É uma segurança para o animal, e também adianta bastante um passo para a viagem. Depois, acostumar o cão na caixa de transporte, independente se ele irá junto na cabine ou não. Para quem vem para Berlim, apesar da cidade ser pet friendly, nem todos os apartamentos aceitam animais, então sempre se atentem de perguntar e exigir que esteja no contrato. Para quem vai morar em apartamento mobiliado, há um seguro que pode ser feito assim, se o cachorro destruir algum móvel, o seguro arca com os custos. Quem tiver a oportunidade de iniciar o adestramento no Brasil vai ter um choque menor quando chegar na Alemanha e se deparar com os cães super educados. E quando já estiverem por aqui, aproveitar bastante, ir em parques, bares, restaurantes… todos os lugares que nem sempre conseguimos ir com nosso pet no Brasil. Aqui, sem dúvidas, ele terá uma qualidade de vida maravilhosa!

***

Abaixo, link de uma matéria da Folha de S. Paulo de dezembro do ano passado sobre o cancelamento do exame de sorologia que a Kamila mencionou e alternativas.

Prefeitura de São Paulo cancela exame obrigatório de sorologia para raiva para pet viajar à Europa

 

AATAN #perfilparaseguir

A região da zona rural de Sorocaba, no interior de São Paulo, sofre há anos com o grande número de cães e gatos abandonados. A tia Dirma começou a ajudar essa causa 30 anos atrás e imaginem o tanto que ela já fez pelos animais! E nos últimos 10 anos conta também com a ajuda de voluntários, que se organizaram para criar a ONG AATAN – Associação Abrigo Temporário de Animais Necessitados.  “Um dia no abrigo é de muito trabalho: alimentar, limpar, cuidar dos doentes, separar algumas confusões, capinar o terreno, se despedir dos adotados, mas acima de tudo é um ambiente cheio de amor e gratidão.”Venham ler, se inspirar, ajudar, compartilhar e apoiar a AATAN. Segue a entrevista abaixo.

Screen Shot 2018-09-12 at 8.40.10 PMMB: Para situar as pessoas que lerão o post. Onde fica o abrigo? E há muitos animais abandonados nessa região?
AATAN: O abrigo fica na zona rural de Sorocaba, o abandono na região é muito grande e continua aumentando, pois não existe uma política eficaz de castração e recolhimento dos animais em situação de rua na nossa cidade.

MB: Como e quando começou essa ideia?
AATAN: A Tia Dirma, que é a responsável pelo abrigo, começou a atuar na causa animal há 30 anos. Nos últimos 10 anos um grupo de voluntários se reuniu para ajudá-la, conseguiram a sede, criaram a ONG, organizam eventos de arrecadação, feiras de adoção e atuação nas mídias.

MB: Quantas pessoas ajudam o abrigo no dia a dia?
AATAN: Lá no abrigo a Dirma conta com a ajuda da família dela e mais três funcionários para manutenção do local, já os voluntários atuantes acredito que seja em torno de 20.

MB: Como é um dia no abrigo?
AATAN: Um dia no abrigo é de muito trabalho: alimentar, limpar, cuidar dos doentes, separar algumas confusões, capinar o terreno, se despedir dos adotados, mas acima de tudo é um ambiente cheio de amor e gratidão.

MB: Vocês recebem alguma ajuda governamental? Como se mantem?
AATAN: Não recebemos nenhuma ajuda pública, dependemos 100% de doações. Muitas pessoas e empresas da cidade organizam eventos de arrecadação e também vendemos produtos do abrigo como: canetas, imãs, mantas e camisetas.

MB: Qual importância do abrigo na região onde ele está? As pessoas deixam animais abandonados na porta?
AATAN: Muitas pessoas nos pedem ajuda através das redes sociais, mas infelizmente estamos lotados e não fazemos resgates, porém disponibilizamos um meio de divulgação no nosso Facebook. Mesmo não divulgando o endereço do abrigo, pelo menos uma vez por semana cães e gatos são abandonados na nossa porta.

MB: Vi em alguns posts que é comum algumas pessoas devolverem animais adotados, ex: Dolar. Isso ocorre com frequência? Há algum tipo de acompanhamento depois da adoção?
AATAN: Quando o número de adoções aumenta é mais comum que animais sejam devolvidos, temos um procedimento de adoção bem rígido, mas infelizmente algumas pessoas adotam por impulso e quando o animal está em casa eles se dão conta disso. Fazemos pós adoção com todos os adotantes e também mantemos contato com eles através das redes sociais.

MB: Por que ajudar os bichos?
AATAN: Porque ajudar alimenta a nossa alma e fazer o bem enriquece, os animais precisam muito da nossa ajuda e nós também precisamos deles. O abandono na região é muito grande, basta sair de casa que você cruzará com cães e gatos no seu caminho. Apoiar iniciativas como a nossa pode mudar essa realidade, temos atualmente 350 abrigados entre cães e gatos, são muitas bocas para alimentar e se cada um colaborar com um pouco, nenhum deles sentirá fome.

Alguns dos bichos para adoção da AATAN ❤

MB: Se alguém quiser colaborar com vocês, como fazer?
AATAN: Comprando nossos produtos a venda nas feiras de adoção, participando dos nossos eventos, sendo voluntário ou deixando doação nos nossos pontos de arrecadação:

☞ Espaço Vital – Fisioterapia Especializada | Rua Visconde do Rio Branco, 601.
☞ Escola Two Four Seven de Inglês | Av. Nogueira Padilha, 247.
☞ Vila da Esquina | Rua Capitão Nascimento Filho, 127.
☞ Geração Pet (depósito) | Rua Campinas, 137
☞ Associação dos Deficientes de Votorantim | Rua Monte Alegre, 470
e depósito na conta bancária:
Banco Itaú
Agência: 1653
Conta Corrente: 35850-5

Luna, uma Dachshund na Espanha

A Luna é a Dachshund de 07 anos do casal de humanos brasileiros que acabaram de se mudar para a Espanha, e apesar de estar lá há poucos meses ela já deu susto e teve que fazer uma consulta com um veterinário! A Debora Castro contou um pouco sobre as impressões deles a respeito de Valência e como foi a viagem com a Luna. Venham ler!

33995727_1760758037333271_8803133083491500032_n (1)MB: Como começou a história de vocês?
DC:
Começou em 2010, Luna tinha apenas 1 mês. Foi um presente de Natal, sempre sonhei em ter uma salsichinha 🙂

MB: Há quanto tempo vocês moram na Espanha?
DC:
Moramos na Espanha há 3 meses. Em Valência.

MB: Como foi a mudança?
DC:
A mudança foi bem cansativa, estávamos muito ansiosos e sem dormir por vários dias.

MB: Alguma dificuldade? Em relação a documentação exigida ou mesmo
pela viagem em si.
DC:
Graças a Deus não tivemos dificuldades com documentação, tivemos o
estresse do tempo de vôo que foi de 10 horas no porão do avião, pois a
Luna não podia ir conosco na cabine devido ao seu peso (8kg). A Luna
ficou muito assustada, foi uma viagem cansativa. Quando chegamos no
aeroporto de Madrid e fomos buscá-la no portão de desembarque de
animais, ficamos quase 2 horas esperando ela ser entregue, e com a demora
começamos a achar que a tinham perdido ou que tinha acontecido algo. Foi
bem estressante, chorei muito quando a encontrei e vi que a Luna estava
bem depois de todo esse tempo esperando, no final deu tudo certo!

MB: Até aqui alguma curiosidade ou situação inesperada?
DC:
Luna já nos deu um susto quando caiu do banco do parque e machucou a patinha, fomos com ela ao veterinário e fomos muito bem atendidos e a
Luna medicada.

MB: Quais diferenças você nota em relação a vida com bichos no Brasil
e na Espanha? Pet shops, alimentação, etc..
DC:
No Brasil notávamos muitos animais abandonados pelas ruas e muito
maltrato. Aqui na Espanha é muito raro vermos algum animal na rua, já
aconteceu de vermos gatinhos, mas acredito que estavam perdidos dos
donos. Quanto a veterinários tem muitas opções, alimentação é bem
variada, para todos os gostos e bolsos também. No geral, os veterinários
– como qualquer outro serviço aqui – se esforçam para te
entender, já que nosso espanhol ainda não está muito bom.
Aqui tem muitos parques para os animais também, os espanhóis gostam
muito de bichos, principalmente cachorros. É comum você andar pelo
bairro e ver várias pessoas passeando com seus bichinhos e os parques e
praças da cidade lotados de cachorros.

MB: Há muitos animais abandonados onde mora? E se houver, existem ONGs e protetores independentes?
DC:
É bem difícil ver animais abandonados aqui, quando encontramos foram alguns gatinhos, vimos que eles provavelmente estavam perdidos. Aqui
maltrato de animais e abandono dá multa e prisão. Eles levam muito a
sério as leis e as pessoas costumam respeitar muito. Aqui abandonar um
animal pode dar multa de até 30 mil euros. Existem sim ONGS e protetores
de animais, já vimos um caso de abandono de filhotes em que
eles foram resgatar.

MB: Alguma dica para aqueles que podem fazer a mesma mudança em breve?
DC:
A dica que dou é acostumar bem seu pet na caixinha de transporte antes do vôo para que seja uma viagem menos estressante possível, se atentar
na hora de alugar um imóvel se o proprietário aceita animais antes de
fechar o contrato (nem todos aceitam e isso deve ficar claro antes de
alugar um imóvel). E aproveitar muito. Seu pet com certeza terá muito
mais qualidade de vida e muitos lugares para passear e se divertir!

Luna em passeios por Valência

 

A Débora e o marido escrevem no site Turistando Afora e lá fizeram uma postagem bem completa de como levar seu bicho para a Espanha. Vejam o link abaixo!

http://turistandoafora.com/2018/07/28/como-trazer-seu-pet-para-espanha/

Mimi, uma gatinha japonesa

A Mimi é uma gatinha SRD de aproximadamente 06 anos que chegou na vida da Viviana meio que por acaso, por conta de uma regra bem interessante (e pouco comum) do lugar em que ela trabalhava. Leia a história delas abaixo que tem vários outros fatos curiosos a respeito da vida com bichos no Japão.

Screen Shot 2018-08-22 at 1.26.28 PMMB: Como começou a história de vocês?
VM: Um funcionário terceirizado em uma fábrica cliente, onde eu estava como assistente do responsável pelo setor, pegou um filhote do gato que rondava na região. A regra é que se você der comida ou pegar o gato que ronda o recinto, ou pega ou perde o emprego. Ele levou para casa, a esposa não gostou nem um pouco e disse para o responsável do setor que queria devolver. Como o próprio responsável já tinha pegado duas fêmeas, eu resolvi tomar responsabilidade por esse empregado.

MB: Há quanto tempo você mora no Japão?
VM: Moro há 7 anos.

MB: Em qual cidade vocês moram exatamente?
VM: Moro na Província de Kanagawa.

MB: Essa a primeira vez que você tem gato? Se sim, como está sendo a experiência?
VM: Não. Já tive gatos no Brasil.

MB: Até aqui alguma curiosidade ou situação inesperada?
VM: Na cidade de Yokohama onde morava, a prefeitura ressarce o valor pago pela castração de gatos de rua.

MB: Infelizmente no Brasil e em alguns lugares do mundo existe a má (e injusta) fama a respeito de gatos pretos. Você acha que essa também é a percepção no Japão? Tenho a impressão que eles gostam bastante de gatos.
VM: Não rsrs. No Japão acredita-se que gatos trazem boa sorte e fortuna.
De algo negativo, tem a lenda que se o gato viver muito, se torna “nekomata”, que é um monstro “youkai” do folclore japonês, mas creio que essa crença ficou esquecida na época do Edo e só é conhecida por gente que goste de histórias.

MB: Quais diferenças você nota em relação a vida com bichos no Brasil e no Japão? Veterinário, alimentação, etc.
VM: No Japão, por ser um arquipélago, a criação de bichos de estimação é vistoriada de forma rígida. Como por exemplo, cachorros que são considerados perigosos tem um chip que é monitorado pela prefeitura para que nenhum dono após o cadastro do animal na prefeitura possa abandonar na rua. Por outro lado, existe muita gente que compra animais (de qualquer espécie) e quando tem que se mudar a trabalho ou quando se enjoa, leva ao equivalente ao Centro de Zoonoses para sacrificar. Note que cada cidade tem sua lei. Mas a maioria proíbe com multa o abandono de qualquer animal ou resto de animais na rua. Existe cidade que proíbe o enterro. E o abandono de corpos de animais pode ser proibido pela lei penal (e nele não especifica a espécie do ser vivente). Os donos são obrigados a pagar pelo crematório. Somente no interior, no meio das montanhas ainda vemos animais sendo criados soltos comendo restos de comida e servindo de cão de guarda ou gato de caça. Em cidade grande, existem as que proíbem deixar o animal andar sem coleira, inclusive gatos.

MB: Há muitos animais abandonados no Japão? E se sim, existem ONGs e protetores independentes?
VM: Existem muitos animais sacrificados, e o problema que vem crescendo são os criadores de animais de raça ilegais que mantém seus animais de forma desumana e precária, que realizam cruzamento entre familiares de primeiro grau, criando filhotes doentes e deformados. Eu mesma conheci um gatinho fofo de 6 meses, que custou ¥300,000 (em torno de 9 mil reais) que após a primeira ida no médico, descobriu que estava com coração mal formado . O casal que comprou conseguiu ressarcimento da loja, mas a dor de perder um animalzinho tão querido em tão pouco tempo não tem preço! ONG no Japão é o que não falta. O país já foi império com muitos lords e aristocratas que viviam de “bem feitorias”, ainda existe pessoas que vivem de ações e aluguéis e que trabalham com ONGs e entidades de fins não lucrativos.

 

Mimi em dois momentos, quando chegou na casa da Viviana e hoje em dia ❤

Uma esperada e desejada Flor

“Ter filhotes em casa requer compromisso, atenção e muita paciência. Eles são a coisa mais linda e fofa, mas vêm acompanhados de muita energia, de choro por atenção, xixi e cocô sem coordenação e a mordida é de matar. Quer pular essa fase, adote a partir dos 6 ou 7 meses, ainda são bebês, mas começam a entrar na fase mocinhos. Ah! Se você acha que com 6 ou 7 meses ou mesmo 1 ou 2 anos eles não vão se acostumar com você ou lhe amar, está bem enganado.”

Quando vi esse texto em um post no perfil da Flor, sabia que teria que falar com sua humana, a Julianne Mariano. A maioria das pessoas quer ter um filhotinho, seja de cachorro ou gato, mas nem sempre leva em conta que como todo bebê eles dão um certo trabalho e é cansativo mesmo – temos que ensinar tudo para eles. Isso depois deles chegarem, porque mesmo antes da vinda de um novo membro da família é preciso ponderar e levar alguns fatores em consideração, assim como fez a Julianne. “Nossa Flor foi simplesmente muito desejada e esperada, foram meses de procura, certa angústia, queríamos muito, mas sempre pesava o financeiro, animais precisam de vacina, remédios, consultas, ração e precisamos estar preparados.”

A Julianne contou muito mais coisas interessantes a respeito de como é ter um #bichonovoemcasa e que para lidar com todo esse desafio é preciso informação e bom humor. E no caso da Flor de Panetone (sim, este é o nome completo dela), desde o começo ela já chegou de uma forma um pouco inusitada. “A encontramos no improvável, no aplicativo da OLX, um dos maiores sites de vendas de animais também possuem muitos casos de adoção, vale super a pena pesquisar, e nas nossas inúmeras buscas recebemos um email do site estimulando as adoções, achei simplesmente maravilhoso isso. Entramos em contato, conversamos um pouco, perfil aprovado, fomos buscar Panetone, nos seis meses de busca esse era o nome de nosso filhote, Panetone, porque nós amamos muito panetones, mas nos deparamos com uma fêmea de carinha doce e meiga de uma flor, assim nasceu o nome Flor de Panetone.

20180523_100859
A doce Flor de Panetone

Em relação à adaptação da Flor, ela diz que foi surpreendente e que ela já chegou dona da casa, mas diz também que foi um turbilhão de novas experiências, as quais ela não estava totalmente preparada. “Tenho outra cachorrinha que se chama Kate, a adotei quando ela tinha cerca de 7 meses, quando me casei e me mudei para um kitnet ela continuou morando com meus pais e irmãos, sentia a falta dela, mas hoje já em nova casa e podendo recebê-la vi o quanto ela sente falta do movimento e da companhia de meus pais, ela está melhor com eles e fico imensamente feliz por eles. Quando sentimos falta ela vem passar uns dias conosco, matamos a saudade, dou banho, faço as avaliações médicas (coisa de mãe) e ela volta super feliz para casa, Kate está com 11 anos.

E foi justamente para compartilhar todas essas novidades e experiências que a Julianne criou um perfil no Instagram para a Flor. “O @criandoumaflor surgiu exatamente com intuito de mostrar como é criar um filhote tão novinho, minha experiência com Kate aos 7 meses não me preparou muito para Flor, Kate não me deu um terço do trabalho que a pequena Flor me dá, e me fez refletir muito sobre a adoção de cães jovens, adultos e idosos. Filhotes são pelo menos 90% das buscas das pessoas, eu sei porque foi a minha, minha esposa queria um filhote, eu sabia que dava trabalho, mas vivenciar isso nos faz refletir que pessoas não preparadas e desorganizadas adotam filhotes por serem fofinhos, mas o trabalho, as mordidas, o cocô, o xixi, a bagunça, o barulho e a destruição faz com que cachorros sejam maltratados e abandonados. Além de mostrar as aventuras de se ter e criar um filhote, espero que o perfil possa servir também de informação para novos papais e mamães. E posso dizer que assim como filhos, não importa a idade que eles tenham, com amor eles vão sempre ser os seus filhotes.”

Quando pergunto para a Julianne se ela tinha passado por alguma situação inesperada ou curiosidade com a Flor, ela nos passou uma listinha de experiências engraçadas e aprendizados. Vejam abaixo:

1) Aprendemos que filhotes mais novinhos tem mais propensão a verme, eu sei porque tivemos a experiência a olho nu.
2) Aprendemos que só existe um remédio de carrapatos no mercado que atenda animais com menos de um 1kg e ele não é barato. Valeu Frontline!
3) Aprendemos na literatura da internet que chá de camomila serve como repelentes de carrapatos, mas que não é nada legal vê-los pela casa.Valeu de novo Frontline!
4) Ainda sobre a literatura da internet que ensina a ignorarmos nossos filhotes às 4:00 da manhã quando estão pedindo desesperadamente atenção, mas não prevê que temos vizinhos e o desequilíbrio de nossos filhotes ao bater a cabeça nos móveis em seu desespero absoluto de pular para tentar subir na cama e alcançar suas mamães.
5) Aprendemos na bula do remédio que devemos levar o dog após as refeições para o lugar das necessidades fisiológicas e ficar brincando com ele até eles fazerem xixi e cocô no tapetinho, o que eles não falam é do grande risco do tapetinho virar brinquedoteca e de que todos os brinquedos serem arrastados para lá. Estamos perdendo feio para Flor no quesito: xixi e cocô no lugar certo. Essa foi a melhor.
6) Também aprendemos que nem nos nossos melhores sonhos iríamos encontrar uma paciência transcendental e um AMOR PURO E AVASSALADOR.
7) Aprendemos que aos 2 meses, cachorros já podem mostrar sua personalidade forte, dizer não pra ela é ouvir latidos em retribuição.

“Com apenas 25 dias conosco, Flor de Panetone já nos ensinou tanto, no meio do estresse diário ela é a calmaria, estamos abertos para o mundo de novas descobertas e desafios, quero saber como vai ser o encontro de Kate e Flor, primeiro passeio, castração, viagens e tudo o mais. Com paciência, bom humor e amor vamos vencendo, aprendendo e conquistando.”

20180522_210124
Flor – pequena no tamanho, mas gigante de amor